Marcelo Santos quer proibir corte de água e energia durante pandemia

Deputado apresenta projeto de lei para proibição dos cortes de água e energia durante a pandemia da Covid-19./ Foto: Bruno Fritz

Já são mais de 12 meses de pandemia do famoso novo coronavírus e, além da crise sanitária, as medidas de prevenção à doença também causaram séria crise econômica, deixando milhões de desempregados ou mesmo sem qualquer tipo de renda mensal. Mas, para não agravar ainda mais a crise, o deputado estadual Marcelo Santos (Podemos/ES) protocolou o projeto de lei 126/2021 que proíbe corte de serviços públicos essenciais, durante o período no qual o plano de contingência estiver em vigor, vedando, ainda, a cobrança de juros e multas.

Na matéria, serviços essenciais são aqueles de fornecimento de energia elétrica e água, além do tratamento de esgoto, que não poderão ser suspensos mesmo em caso de inadimplência do consumidor. “É preciso frisar que essa medida, não isenta o consumidor do pagamento do débito com a concessionária, o qual deverá ser negociado e regularizado posteriormente, sendo permitido, inclusive, o parcelamento deste débito, facilitando o pagamento do mesmo, evitando que o cidadão, que já sofre com a pandemia, fique ainda sem os serviços de água, luz e esgoto, essenciais para, inclusive, cuidados de saúde”, comentou o autor.

Pelo texto, fica suspensa a incidência de multas e juros por atraso de pagamento das faturas de serviços públicos concedidos enquanto perdurar a pandemia e o descumprimento ensejará a aplicação de multas, nos termos do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Pela matéria, multas e juros ocasionados por pagamentos atrasados em serviços públicos ficam suspensos durante a pandemia. / Foto: Bruno Fritz

Marcelo Santos lembra que projeto semelhante foi aprovado no Estado de Roraima, a Lei estadual 1.389/2020, inclusive, questionada sua constitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF), onde, por maioria de votos, manteve a validade da lei que proíbe o corte de energia elétrica por falta de pagamento da conta, enquanto permanecer o estado de emergência decorrente da pandemia da Covid-19. 

No voto que conduziu o julgamento, a ministra Cármen Lúcia, relatora, explicou que a legislação de Roraima regula a relação entre o usuário do serviço público e a empresa concessionária, revelando sua natureza consumerista. A ministra ainda citou caso análogo em que o Plenário da Corte, também em sessão virtual, manteve a validade de norma do Paraná que veda o corte do funcionamento dos serviços de energia elétrica durante a pandemia. Ela ressaltou que a superveniência da Lei federal 14.015/2020, que dispõe sobre interrupção, religação ou restabelecimento de serviços públicos, editada em razão da pandemia de Covid-19, não afasta a competência estadual para disciplinar a matéria de proteção e defesa do consumidor de forma mais ampla do que a estabelecida pela legislação federal, como assentado em recentes decisões do STF.

Cármen Lúcia destacou ainda que o fornecimento de energia elétrica é direito fundamental relacionado à dignidade humana, à saúde, à moradia, à alimentação, à educação e à profissão, "constituindo-se em serviço público essencial e universal, que deve estar disponível a todos os cidadãos, especialmente no complexo contexto pandêmico vivenciado.”

Confira o projeto na íntegra.

 

Assessoria de comunicação

Data de Publicação: segunda-feira, 12 de abril de 2021

LEIA MAIS...

Obras de ampliação da Terceira Ponte começam este mês
Projeto quer barrar emissão de pó preto na Grande Vitória durante pandemia
Empresas afetadas pela pandemia vão ter crédito em até 90 dias no ES