Marcelo Santos quer proibir acesso a transporte coletivo de quem não usa máscaras

Uso do equipamento diminui risco de contágio. Medida deve ser aplicada em ônibus e terminais do Transcol e intermunicipal tanto para usuários quanto funcionários

Em tempos de pandemia da Covid19, a orientação das autoridades sanitárias é o isolamento social, ficando em casa o máximo de tempo possível. Mas isso nem sempre é uma opção para quem ainda consegue se segurar no emprego e precisa, quase que diariamente, enfrentar transporte coletivo no trajeto de ida e volta do trabalho. Para evitar que trabalhadores corram mais riscos nesses percursos, o deputado estadual Marcelo Santos quer que o uso de máscaras seja obrigado em terminais do Transcol, intermunicipais e também dentro dos coletivos.

“Em cidades classificadas com risco elevado como Grande Vitória, o uso de máscaras é obrigatório, mas ainda flagramos passageiros dentro dos terminais e dos coletivos sem esse equipamento que diminui a probabilidade de contágio, por isso enviei um ofício ao governador Renato Casagrande para que tome medidas a fim de evitar uma explosão de casos em nosso Estado”, contou o deputado que também preside a Comissão de Infraestrutura da Assembleia Legislativa (CoinfraES).

Em ofício enviado ao Chefe do Poder Executivo estadual, Marcelo Santos quer proibir o acesso a terminais do Transcol e intermunicipais de passageiros, funcionários e motoristas de táxi e aplicativos que não estejam utilizando máscaras. Além disso, durante todo o trajeto do coletivo, o motorista que verificar passageiro sem máscara deverá recusar o embarque ou solicitar que o mesmo desembarque imediatamente. “É urgente a tomada de atitudes para redução do contágio e evitar um possível colapso do sistema público de saúde com uma consequente explosão de gastos públicos”, justificou.

De acordo com o deputado, o governo já teria sinalizado uma concordância para que a Secretaria de Estado de Mobilidade e Infraestrutura (Semobi) acate as sugestões elencadas.

Deputado Marcelo Santos é vice-presidente da Ales e presidente da CoinfraES / Foto: Bruno Fritz

Frota
Ainda no ofício enviado ao governador, o parlamentar solicitou que seja respeitada uma quantidade mínima de veículos que atendam ao transporte coletivo circulando pelas ruas. “é preciso garantir uma quantidade mínima de veículos circulando pelas ruas para, dessa maneira, garantir que sejam respeitadas as regras determinadas pela CeturbES, evitando aglomerações dentro dos coletivos no intuito de dar mais segurança sanitária a funcionários e usuários”, complementou Marcelo Santos.

Assessoria de Comunicação

Data de Publicação: quarta-feira, 29 de abril de 2020

LEIA MAIS...

Ales Digital: Capixaba pode conferir como vota cada deputado
Governo prorroga atividades de grupo que vai destravar obras no ES
Avança o processo para a instalação do Aquaviário na GV